Negócios Sustentáveis

Bancos federais renovam seus compromissos socioambientais

Os bancos públicos federais, Banco do Brasil, Banco do Nordeste, Caixa Econômica Federal, BNDES e Banco da Amazônia, irão assinar amanhã o novo Protocolo Verde, que estabelece diretrizes socioambientais na gestão de ativos e nas análises de risco de clientes e de projetos de investimento. Essa é a segunda versão do Protocolo Verde que foi inicialmente lançado em 1995. O novo Protocolo diferencia-se do anterior por estabelecer diretrizes mais objetivas dentre as quais destacamos as seguintes:

  • Oferecer condições especiais de financiamentos, como taxas, prazos e carências diferenciadas, para projetos que contemplem investimentos socioambientais.
  • Incorporar critérios socioambientais ao processo de análise e concessão de crédito para projetos de investimentos, considerando os impactos e riscos e a necessidade de medidas mitigadoras e compensatórias.
  • Efetuar a análise socioambiental de clientes cujas atividades exijam o licenciamento ambiental e/ou que representem significativos impactos sociais adversos.

Por se tratar de grandes bancos com enorme capilaridade de crédito, o novo Protocolo representa uma iniciativa importante do setor financeiro público na realização de negócios que promovam o desenvolvimento com sustentabilidade. Na nossa opinião, e como tudo indica o próprio Protocolo irá prever, é importante que haja harmonização de critérios e procedimentos na implantação de suas diretrizes pelos bancos.

Está em discussão na Febraban a possível adesão também dos bancos privados ao novo Protocolo Verde, o que seria um avanço conjunto do setor financeiro brasileiro na adoção de diretrizes socioambientais em seus negócios.

Leia mais sobre esse assunto na Gazeta Mercantil.

Acesse o novo Protocolo Verde.

Estado da Califórnia adota o primeiro código estadual de construções “verdes” nos EUA

Mais uma vez o estado da Califórnia sai na frente na preservação do maio ambiente. Sua Comissão de Padrões na Construção anunciou semana passada a adoção do primeiro código estadual de construções “verdes” nos Estados Unidos. A adoção desse código resultará na construção de novos edíficios comerciais e residenciais com maior eficiência energética e menor consumo de água. O governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, anunciou também que os edifícios de órgãos públicos terão que reduzir em 20% o consumo de energia até 2015. Além disso, todas as novas construções de edifícios públicos ou reformas de edifícios existentes deverão atingir os requerimentos mínimos da certificação LEED (Leadership in Energy & Environmental Design). De acordo com o Green Building Council americano, os edifícios respondem por 70% do consumo de energia elétrica no país, 12% do consumo de água potável, 30% da geração de resíduos sólidos e pela emissão de 39% dos gases de efeito estufa. Assim, ao fixar metas de redução do uso de energia e água, o novo código de construções da Califórnia irá contribuir para atenuar as alterações climáticas decorrentes do efeito estufa. No Brasil, iniciativas semelhantes para o setor de construção foram adotadas, por exemplo, na capital de São Paulo (Lei 14.459 de 03/07/07) e no estado do Rio de Janeiro (Lei 5184 de 02/01/2008), onde é obrigatória a utilização de energia solar para aquecer uma parcela da água consumida em prédios novos. Essas iniciativas, além de economizar energia e proteger o meio ambiente, incentivam a expansão e a popularização do uso de energia solar. Leia aqui o Código de Construções do estado da Califórnia. Saiba mais sobre a certificação LEDD aqui.

Novo relatório aponta desafios para o setor florestal

Relatório divulgado no início do mês pelo World Resources Institute – WRI afirma que a indústria de produtos florestais irá enfrentar grandes desafios e oportunidades nos próximos anos em função das mudanças climáticas. Segundo esse relatório, o maior desafio para produtores de madeira, papel e outros produtos florestais será adaptarem-se à possível imposição de limites para emissões de gases do efeito estufa. Além disso, as mudanças climáticas poderão afetar mais diretamente essa indústria, alterando a produtividade florestal em algumas regiões e forçando empresas a procurarem madeira em outras áreas. O relatório complementa que custos de financiamento e de energia também poderão reduzir ainda mais a margem de lucros do setor. Por outro lado, o WRI destaca que a importante participação das florestas no ciclo do carbono proporciona uma oportunidade única para a indústria florestal oferecer uma ampla gama de produtos sustentáveis como, por exemplo, materiais de baixa emissão de carbono para a construção civil e biomassa para geração de energia. A leitura desse mais novo relatório do WRI proporciona a empresas do setor, instituições financeiras e investidores a reflexão sobre como lidar com os mais relevantes riscos e oportunidades associados à indústria de produtos florestais a partir das mudanças do clima. Confira aqui o relatório.

Banco francês inova ao avaliar impacto socioambiental indireto de seus produtos

O banco francês Caisse d’Epargne acaba de anunciar uma iniciativa pioneira no campo da sustentabilidade. Desde o mês passado está usando divulgando uma classificação de seus produtos financeiros para que seus clientes possam ser informados quanto ao impacto socioambiental que esses produtos podem causar.

A metodologia foi desenvolvida para inicialmente ser usada em produtos de investimentos. Segundo o Caisse d’Epargne, até o final de 2008 ela deve ser adaptada para outros tipos de produtos e serviços financeiros, como seguros e empréstimos.

De acordo com a metodologia, disponível na internet para que outros bancos possam também utilizá-la, os produtos são classificados em uma escala de 1 a 5 de acordo com três categorias (ilustração abaixo): seu risco financeiro; seu grau de responsabilidade social e ambiental e sua emissão direta e indireta de gases do efeito estufa.


Consideramos essa iniciativa inovadora e muito importante por não somente oferecer maior transparência aos clientes, como também por contribuir para a conscientização dos impactos socioambientais ao se consumir produtos e serviços financeiros.

Acesse aqui a metodologia

Agência lança rating inédito para projetos de crédito de carbono

Vale a pena conferir o recém-lançado serviço de rating de projetos de redução das emissões de carbono. O rating é uma novidade da empresa Carbon Ratings Agency, que irá atribuir classificação semelhante ao conhecido rating de crédito (AAA, AA, A, etc). Com a criação desse novo rating a Carbon Ratings busca soluções para os problemas hoje existentes em projetos regulados pelo Mecanismo de Desenvolvimento Limpo – MDL do Protocolo de Quioto e em projetos desenvolvidos fora desse mecanismo: geração efetiva da quantidade de créditos previstos. A Carbon Ratings irá também considerar os benefícios econômicos e sociais que os projetos trazem, ou não.

Os idealizadores do novo rating afirmam que os projetos aptos a obter créditos de carbono valem atualmente cerca de €8,5 bilhões e poderiam atingir o valor de €100 bilhões no ano de 2020, o que contribuiria com os esforços para redução de emissões de CO2. Os investidores que acessam esse mercado procuram projetos de qualidade, que minimizem o risco de desempenho. O novo serviço de rating vai justamente nessa direção: dar maior transparência ao mercado de créditos de carbono, ajudar os investidores a diferenciar os créditos ofertados, contribuindo para que esse mercado passe a funcionar como o de outros ativos.

Ao lançar o novo serviço, a Carbon Ratings avaliou uma amostra representativa de 25 projetos elaborados dentro do MDL, inclusive no Brasil, revelando em seu relatório que poucos atingiram a classificação AA e que muitos não estão atingindo as metas de volume de créditos projetadas. Apesar de os desempenhos variarem de país para país, os projetos de energias renováveis e eficiência energética são os que apresentam melhor desempenho e os de minas de carvão o maior risco.

Leia aqui o relatório da Carbon Ratings Agency