Negócios Sustentáveis

Novo índice de ações foca oportunidades ambientais

A FTSE (Financial Times & Stock Exchange), companhia inglesa que atua na elaboração de índices de mercado, acaba de lançar um índice que mede o desempenho de companhias globais que têm forte envolvimento em negócios e tecnologias ambientais. Chamado de FTSE Environmental Opportunities All-Share Index, é composto por ações de 470 empresas, dentre as quais seis brasileiras, cujas atividades busquem soluções ambientais nos campos de energias alternativas e eficiência energética, tecnologia de água e resíduos, controle da poluição e gestão de matérias primas.

O novo índice seleciona as ações das empresas cujas vendas, investimentos e lucro líquido relativos a tecnologias ambientais superem mais de 20% o total desses parâmetros. Além disso, o Environmental Opportunities é ajustado pela liquidez das ações selecionadas. Seus destaques são os seguintes:


As 10 empresas com maior participação no índice são: Siemens, Iberdrola, Suez, ABB, United Technologies, 3M, ENEL, Emerson Eletric, Honeywell e Phillips. Consideramos seu lançamento mais uma demonstração de que os investidores, pessoas físicas e jurídicas, estão cada vez mais interessados na busca de soluções para as questões ambientais associadas aos negócios. O índice foi justamente criado pela FTSE para atender a demanda desses investidores que procuram empresas melhor preparadas para atuar num ambiente de negócios de baixa emissão de carbono, maximizar as oportunidades ambientais em seus portfólios e apoiar financeiramente o crescimento e o desenvolvimento do setor de tecnologia ambiental e de energias renováveis.

Questão da água é um desafio aos negócios

O World Business Council for Sustainable Development – WBCSB acaba de divulgar a versão em português do relatório Business in the world of water: The H2O Scenarios (As empresas no mundo da água: Cenários para 2025). O relatório apresenta três cenários a respeito do papel das empresas em relação à crescente questão da água em âmbito mundial. Por meio desses cenários, o relatório quer chamar a atenção para o valor da água, exatamente nesse momento em que o crescimento populacional e econômico está puxando a demanda de alimentos, energia, transporte, lazer e praticamente de todos os produtos de consumo diário. O relatório afirma que todos entendem que a água é essencial para a vida. Contudo, as pessoas e as organizações tendem a ignorar a questão d’água, até que ela comece a escassear, ficar poluída, passar a ter custo ou, ainda, não ser administrada. O relatório alerta para as projeções de escassez e de falta d’água, destacando o aumento de custos, que irão tornar o gerenciamento desse bem ainda mais complexo num futuro próximo. Concluindo, o estudo do WBCSD afirma que as empresas, conjuntamente com toda a sociedade, podem exercer papel ativo e responsável para assegurar o uso social, ecológico e economicamente racional de água. Exatamente nessa direção, a General Electric – GE divulgou recentemente que irá cortar em 20% seu consumo mundial de água até 2012. Essa redução deverá ser alcançada por meio de processos de reuso e de uso eficiente d’água em suas instalações comerciais e industriais. A GE informou que irá divulgar os resultados de suas iniciativas para seus clientes e também publicou um manual para ajudar seus stakeholders a aumentarem o reuso de água. O relatório do WBCSD sobre a água, o qual recomendamos a leitura, bem como outros que comentamos aqui neste blog, apontam para a necessidade das empresas levarem a questão ambiental ao centro de suas estratégias de negócios e de compartilharem suas experiências no campo da sustentabilidade com a sociedade em geral. Acesse aqui o relatório “As empresas no mundo da água: Cenários para 2025”