Negócios Sustentáveis

Setor da construção civil lança Protocolo Ambiental

O Governo do Estado de São Paulo e entidades do setor da construção acabam de assinar um protocolo que visa a reduzir o impacto ambiental de obras públicas e privadas. O Protocolo Ambiental da Construção Civil Sustentável estabelece diretrizes para o uso racional de recursos naturais, seleção de materiais adequados, reuso de entulho e normas de construção que provocam menor impacto ambiental. Dentre as normas de construção, destaca-se a necessidade de utilização de energias renováveis e de equipamentos com baixo consumo de energia, o uso de iluminação e ventilação naturais e a preservação da vegetação. Além disso, as entidades que aderiram ao protocolo se comprometem a armazenar águas de chuva para uso não potável e a utilizar madeira de reflorestamento ou de origem legal comprovada em seus empreendimentos. A adesão ao protocolo é voluntária. Contudo, consideramos essa iniciativa um passo importante na direção do uso de práticas mais sustentáveis na industria da construção, podendo contribuir para a proteção do meio ambiente e melhoria das condições de vida nas cidades. Leia aqui o Protocolo Ambiental da Construção Civil Sustentável

Argentina: seguro ambiental agora é obrigatório

A Argentina acaba de se tornar o primeiro país do mundo onde empresas que estão envolvidas com atividades de maior potencial de impacto ambiental agora têm que contratar obrigatoriamente um seguro ambiental. A lei ambiental argentina, de 2002, já previa o seguro ambiental. Contudo, somente no final de setembro foi concluída a sua regulamentação. Na nossa opinião o seguro ambiental pode ser um instrumento para evitar que o ônus da reparação do meio ambiente recaia somente ao poluidor e não seja transferido para a sociedade. No Congresso brasileiro há projetos de lei na direção da obrigatoriedade do seguro ambiental. Seria interessante que os congressistas e o mercado segurador examinassem o exemplo da lei argentina. Acesse aqui: Ley General del Ambiente, 2002 Regulamentações e mais informações sobre o seguro ambiental argentino

Cadeias produtivas: novo acordo introduz critérios socioambientais

No âmbito das "Conexões Sustentáveis São Paulo - Amazônia", os setores da soja, pecuária bovina e madeira acabam de aderir a pactos voluntários para eliminar práticas ilegais em suas cadeiras produtivas e, assim, fornecer produtos que respeitam critérios socioambientais. Inicialmente, dois critérios serão aplicados aos fornecedores de madeira, carne, grãos e óleos vegetais, carne e madeira: i) não estar incluído na “lista suja” do trabalho escravo do Ministério do Trabalho; ii) não ter qualquer propriedade embargada pelo Ibama, onde foi constatado desmatamento ilegal. Na formulação dos pactos não houve consenso a respeito da verificação quanto à legalidade da terra de onde vem o produto, porque dos nove Estados da Amazônia Legal, apenas o de Mato Grosso possui um cadastro oficial de propriedades rurais. Apesar desse critério ter ficado de fora, entendemos que os pactos são uma iniciativa importante para introduzir a variável socioambiental nas cadeias produtivas de grãos, carne e madeira. São grandes empresas que beneficiam esses produtos antes deles chegarem aos consumidores. Daí a relevância dos pactos, que envolvem também redes varejistas. É o caso do Wal-Mart, que afirmou irá exigir que todos os seus fornecedores sejam signatários dos pactos. Esperamos que esses novos pactos possam contribuir para a redução do desmatamento da Amazônia e suas metas e resultados alcançados sejam amplamente divulgados. Leia aqui o Pacto da Soja Leia aqui o Pacto da Pecuária Leia aqui o Pacto da Madeira

Programe-se para assistir filmes sobre sustentabilidade

A partir de agora você pode conferir indicações de filmes e documentários sobre o tema da sustentabilidade no site da nossa consultoria Finanças Sustentáveis, ou aqui mesmo no nosso blog na coluna à direita. Clique aqui para conhecer as sinopses desses filmes. Nossas indicações abrangem desde documentários mais recentes que abordam os impactos do aquecimento global, até produções consagradas baseadas em acontecimentos reais. Ainda sobre filmes e documentários desse gênero, achamos bem-vinda a iniciativa do lançamento do Cine-clube Socioambiental, que agora está iniciando Mostra Itinerante do X Festival Internacional de Cinema e Video Ambiental de Goiás (FICA) e o 1º. Ciclo de Filmes e Palestras do Cine-clube. Para saber mais, clique aqui.